Quando considerar a auditoria financeira para minha empresa?

Tempo aproximado de leitura: 4 minutos

Uma das fraudes financeiras mais conhecidas do mundo, o caso Enron, envolveu declarações contábeis indevidas. O escândalo da empresa norte-americana acelerou a aprovação da Lei Sarbanes-Oxley, norma internacional para análise contábil, e tornou as regras para auditoria financeira ainda mais rígidas.

Após o colapso da Enron, CFOs e demais líderes se mantiveram ainda mais atentos ao detalhamento das declarações financeiras para que os stakeholders compreendam a legitimidade dos gastos, lucros e cumprimento de leis fiscais.

A auditoria financeira é uma das vias para atestar a veracidade e precisão das informações em demonstrações contábeis e relatórios financeiros da empresa. 

Marie-Laure Delarue, vice-presidente da Ernst & Young (EY), explica que “auditorias de alta qualidade melhoram a confiança das partes interessadas nas empresas, o que por consequência impulsiona o investimento e o crescimento econômico, gerando valor em longo prazo para a sociedade em geral”.

Continue a leitura e compreenda mais detalhes sobre a auditoria financeira, seus impactos e quando considerar a contratação desse serviço.

Como funcionam as auditorias?

A auditoria representa uma prática do mercado que verifica se os processos, os sistemas de controles internos e dados disponibilizados pela empresa condizem com a realidade.  

No contexto financeiro, segundo a legislação brasileira (lei 11.638/07),  empresas com ativos superior a R$240.000.000,00 (duzentos e quarenta milhões de reais) ou receita bruta anual superior a R$ 300.000.000,00 (trezentos milhões de reais) são obrigadas a contratarem os serviços de auditoria externa.

As Pequenas e Médias Empresas, que optam pela contratação de uma auditoria, ainda que não seja uma conduta obrigatória, transmitem credibilidade aos stakeholders, elevando o grau de confiança em relação a suas práticas financeiras.

O serviço de auditoria pode ser interno, quando conduzido por profissionais da própria instituição, ou externo, realizado por empresas especializadas e independentes. 

Não existe um método único a ser seguido pelas auditorias. Mas a PwC, uma das maiores empresas mundiais, lista alguns passos da sua metodologia:

  1. Ao ser decidida a empresa, os auditores iniciam seu trabalho obtendo uma compreensão das atividades da organização, considerando as questões econômicas e industriais que podem ter afetado o negócio durante o período de relatórios.
  2. Para cada atividade listada no relatório financeiro, os auditores identificam e avaliam quaisquer riscos que possam ter um impacto significativo no desempenho financeiro, e as medidas que a organização colocou em prática para reduzir os riscos.
  3. Com base nos riscos e controles identificados, os auditores consideram o que a administração fez para garantir que o relatório financeiro seja preciso.
  4. Os auditores, então, julgam se o material apresenta uma visão fidedigna dos resultados e se a organização está em conformidade com as normas.
  5. Finalmente, os auditores preparam um relatório que estabelece seu parecer para os acionistas ou membros da organização.

Quais são as diferenças entre auditoria financeira e contábil?

Segundo a  “NBC TA – de Auditoria Independente de Informação Contábil Histórica”, do Conselho Federal de Contabilidade (CFC), cabe ao profissional analisar documentos contábeis como balanço, fluxo de caixa e DRE, com o intuito de acompanhar a situação econômica, patrimonial e financeira. 

Enquanto isso, o mercado ajustou-se para uma abordagem mais ampla encontrada na auditoria financeira, com acesso ao fluxo de caixa, compreendendo como estão sendo aplicados os recursos, identificando cada pagamento e o cumprimento das leis fiscais. 

Empresas ao redor do mundo realizam uma auditoria financeira que avalia a legitimidade dos usos dos recursos, a adequação às questões tributárias e regulatórias, muitas vezes elevando as companhias aos padrões mundiais de gestão financeira exigidos principalmente por grandes investidores.

Será que é hora de contratar uma auditoria financeira externa?

A necessidade de contratação de uma auditoria financeira está relacionada diretamente ao quão confiante uma empresa está em relação às suas obrigações, à veracidade das informações, agilidade e padronização dos relatórios financeiros.

Isso significa que as demonstrações devem ser minuciosamente preparadas conforme os requisitos legais e as normas que manterão a qualidade, legitimidade, constância e segurança dos relatórios financeiros. 

Caso a companhia já tenha esse tipo de cultura de relatórios financeiros e confiança em suas informações,  deve estudar a necessidade de uma auditoria. Ela pode ser contratada para se proteger de possíveis fraudes, elevando suas práticas de governança corporativa e segurança financeira.

Além disso, a auditoria financeira contribui com os processos de fusão e aquisição, aumentando a confiabilidade e transparência dos dados. No caso de IPOs, empresas precisam ter suas demonstrações financeiras auditadas por empresas especializadas.

Como a tecnologia pode contribuir para a auditoria?

Plataformas financeiras conseguem promover cruzamentos e verificar incoerências de dados, mesmo em diferentes anos-fiscais. A tecnologia automatiza e melhora a apresentação dos resultados.

A EY afirma que os auditores estão sendo treinados para usar cada vez mais a análise de dados para identificar padrões de transações que podem indicar uma fraude material.

Dessa maneira, líderes financeiros com acesso antecipado à tecnologia têm a chance de simular as investigações e descobrir possíveis falhas, verificando a veracidade das informações e se preparando para uma auditoria bem-sucedida.

Considerações 

A aceleração digital promove mais transparência e eleva os padrões de qualidade das instituições. Em um ambiente que exige constantes adequações, empresas que prezam pela conformidade dos seus processos, atingem melhores resultados e tornam-se mais atrativas. Isso reforça a ideia de que a auditoria é um dos diferenciais capazes de aumentar a competitividade das empresas no mercado, independentemente do seu porte.

Nova call to action

Conteúdo
    Pesquisar

    Principais assuntos

    One Response

    Add a Comment

    Your email address will not be published. Required fields are marked *

    nove + um =

    Veja também