Boas práticas e termos técnicos de cibersegurança que CEOs e CFOs devem conhecer

Tempo aproximado de leitura: 7 minutos

No cenário empresarial moderno, a segurança da informação tornou-se uma peça fundamental para garantir a estabilidade e a integridade das operações. Com ameaças cibernéticas cada vez mais sofisticadas, os CEOs e CFOs desempenham um papel crucial na criação de uma cultura organizacional que priorize a segurança digital – e para isso é fundamental entender os conceitos essenciais da área.

Compreender e aplicar os princípios básicos e as boas práticas associados à cibersegurança virou mais do que uma responsabilidade do time de TI, é um dever de todos na empresa. Leia neste artigo os termos técnicos essenciais da segurança digital e como adotar as boas práticas na rotina do seu time. 

O que é cibersegurança? 

Cibersegurança é um campo vital e em constante evolução, concentrado na proteção de sistemas, redes e dados contra ameaças digitais. Em sua essência, trata-se de um conjunto abrangente de práticas, tecnologias e estratégias projetadas para proteger a integridade, confidencialidade e disponibilidade das informações digitais. Seu escopo abrange desde a implementação de firewalls e softwares antivírus até a conscientização e treinamento dos usuários, visando prevenir e mitigar ataques cibernéticos. 

Em um mundo onde a interconectividade digital é onipresente, a cibersegurança torna-se uma linha de defesa crucial, proporcionando não apenas proteção contra ameaças atuais, mas também a capacidade de antecipar e se adaptar a ameaças futuras em um cenário tecnológico dinâmico. É necessário compreender a cibersegurança vai além da aplicação de ferramentas técnicas, inclui um componente humano significativo, onde a conscientização e o treinamento dos usuários desempenham um papel crucial. Ou seja, os colaboradores devem ser educados sobre práticas seguras, reconhecimento de ameaças e a importância de relatar incidentes de segurança ao time de TI.

Em outras palavras, o ambiente dinâmico atual exige uma abordagem holística de cibersegurança que permeia todas as camadas de uma organização, combinando tecnologia, educação, processos e conscientização. Assim, garantindo a continuidade dos negócios e a confiança dos stakeholders diante dos desafios crescentes no espaço virtual. 

Estatísticas de ataques cibernéticos no Brasil 

As estatísticas de ataques cibernéticos no Brasil revelam um cenário desafiador e em constante evolução, destacando a necessidade urgente de medidas eficazes em cibersegurança. De acordo com relatórios recentes da CNN, o Brasil tem experimentado um aumento de 94% no número de incidentes nos últimos anos. Em número absoluto, o país acumula mais de 100 bilhões de tentativas de ataques, o ocupando o segundo lugar no ranking da América Latina.

Os ataques variam em sua natureza, desde tentativas de phishing até violações de dados mais complexas e os setores mais visados incluem instituições financeiras, empresas de e-commerce e setores governamentais. Um relatório publicado pela Verizon, empresa norte-americada de internet, aponta que 82% dos incidentes são evitáveis e envolviam o elemento humano, como roubo de credenciais, phishing de senha, uso indevido ou erro de senha.

A expansão da conectividade digital e o aumento do uso da internet, especialmente durante a pandemia, têm contribuído para a complexidade desse panorama. As estatísticas ressaltam a importância de iniciativas de conscientização cibernética, treinamento de pessoal e investimentos em tecnologias avançadas de cibersegurança para proteger ativos digitais e informações sensíveis. A questão não é mais “se haverá um ataque” e sim “quando haverá”. 

Termos e conceitos fundamentais em cibersegurança

Firewall

O firewall é uma barreira essencial na defesa contra ameaças cibernéticas. Atuando como um guardião entre a rede interna de uma organização e a vastidão da internet, o firewall monitora e controla o tráfego com base em regras predefinidas. Essas regras determinam quais comunicações são permitidas e quais são bloqueadas, impedindo a entrada de atividades maliciosas. Além de filtrar o tráfego, os firewalls modernos também são capazes de inspecionar pacotes de dados para identificar comportamentos suspeitos, oferecendo uma linha de defesa crucial contra ataques como malware e tentativas de invasão.

Phishing

O phishing representa uma ameaça persistente no cenário cibernético, sendo uma tática em que os atacantes tentam enganar os usuários para obter informações confidenciais, como senhas e detalhes de cartões de crédito. Geralmente, isso é feito por meio de e-mails fraudulentos que parecem legítimos. Conscientizar os usuários sobre os sinais de phishing e promover práticas de verificação rigorosas são estratégias fundamentais. Além disso, a implementação de tecnologias de filtragem de e-mails e treinamentos regulares de segurança podem ajudar a mitigar os riscos associados a esse tipo de ataque, protegendo a integridade das informações sensíveis.

Ransomwares 

Ransomwares são uma classe de malware insidioso que, uma vez infiltrado em um sistema, criptografa dados e arquivos, tornando-os inacessíveis para o usuário legítimo. A característica distintiva desse tipo de ataque é a exigência de um resgate, geralmente em criptomoedas, em troca da chave de descriptografia necessária para recuperar os dados. Esses ataques são frequentemente disseminados por meio de e-mails de phishing, exploits de software ou até mesmo através de sites comprometidos. O objetivo principal dos criminosos por trás dos ransomwares é obter ganhos financeiros, explorando a urgência e a necessidade das vítimas de recuperar dados essenciais. O impacto vai além dos prejuízos financeiros, afetando a produtividade, a reputação das organizações e, em alguns casos, colocando em risco informações sensíveis. A prevenção contra ransomwares envolve uma combinação de medidas, incluindo a implementação de soluções de segurança, a manutenção regular de backups e a promoção da conscientização dos usuários para evitar cair em armadilhas digitais.

VPN (Rede Privada Virtual)

A Rede Privada Virtual, ou VPN, é uma ferramenta essencial para estabelecer conexões seguras através da internet. Ao criar um túnel criptografado entre dispositivos, a VPN garante que a comunicação seja protegida contra interceptações maliciosas. Essa tecnologia é particularmente crucial para funcionários remotos que precisam acessar informações confidenciais de maneira segura. Além de fornecer uma camada adicional de segurança, as VPNs também podem contornar restrições geográficas, promovendo a privacidade e a integridade dos dados em ambientes onde a segurança digital é prioritária.

Criptografia

A criptografia é um pilar essencial na cibersegurança, representando a prática de converter informações legíveis em um formato ilegível por meio de algoritmos complexos. Este processo garante que apenas aqueles com as chaves adequadas possam decifrar e acessar os dados. Seja durante a transmissão de informações pela internet ou no armazenamento de dados sensíveis, a criptografia oferece uma camada adicional de segurança, impedindo o acesso não autorizado e protegendo a confidencialidade das informações.

MFA (Autenticação de Duplo Fator)

A Autenticação de Duplo Fator (MFA) representa uma estratégia eficaz para reforçar a segurança no acesso a sistemas e contas. Além da tradicional combinação de usuário e senha, a MFA exige uma segunda forma de autenticação, como um código enviado para o dispositivo móvel do usuário. Essa abordagem adiciona uma camada extra de proteção, dificultando significativamente o acesso não autorizado, mesmo que as credenciais primárias sejam comprometidas. A implementação de MFA é uma prática essencial para impedir a intrusão em contas e sistemas críticos.

Cloud Compotuing (Armazenamento em Nuvem)

A decisão de utilizar serviços de armazenamento em nuvem, também chamado de cloud compouting, em vez de depender exclusivamente de dispositivos locais representa uma transformação significativa na segurança digital. Ao optar por isso, as organizações não apenas beneficiam-se da acessibilidade remota, mas também garantem uma maior segurança e resiliência contra perdas de dados. Os provedores de serviços em nuvem implementam medidas rigorosas de segurança, como criptografia e redundância, oferecendo uma solução mais robusta do que depender exclusivamente de dispositivos físicos suscetíveis a falhas e roubos. Essa abordagem não apenas otimiza a colaboração, mas também fortalece a integridade e disponibilidade dos dados.

Social Hacking (Engenharia Social)

Social hacking, ou Engenharia Social, refere-se a uma forma de manipulação psicológica utilizada por cibercriminosos para explorar a confiança, curiosidade ou medo das pessoas e obter informações confidenciais. Diferentemente dos ataques que exploram vulnerabilidades tecnológicas para sua invasão, ataques de engenharia social frequentemente se baseiam em técnicas de persuasão, confiança e manipulação emocional, sendo executado por meio de telefonemas, e-mails fraudulentos ou até mesmo interações presenciais. Os hackers exploram a disposição das pessoas em ajudar ou compartilhar informações, muitas vezes sem perceberem que estão sendo alvo de um ataque.

Boas práticas para adotar na rotina da sua empresa

Conexão segura

Garantir uma conexão segura é um elemento-chave na defesa contra ameaças cibernéticas. Utilizar protocolos de segurança, como o HTTPS, ao navegar na internet protege a integridade das informações transmitidas entre o navegador e os servidores. Além disso, ao adotar redes privadas virtuais (VPNs), as organizações podem estabelecer túneis criptografados, protegendo a comunicação contra interceptações maliciosas. Conectar-se a redes Wi-Fi seguras e utilizar firewalls pessoais também são práticas essenciais para criar uma barreira adicional contra potenciais ataques. Ao adotar medidas rigorosas para garantir uma conexão segura, as empresas fortalecem a proteção de dados sensíveis e promovem uma cultura de segurança digital entre seus colaboradores.

Manter um olhar atento a e-mails e links desconhecidos é uma prática fundamental na prevenção contra ataques de phishing e malware. A conscientização dos colaboradores sobre os sinais de e-mails fraudulentos, como erros gramaticais, solicitações urgentes e remetentes suspeitos, é crucial. Verificar cuidadosamente os links antes de clicar e evitar baixar anexos de fontes desconhecidas são hábitos que podem evitar a infiltração de softwares maliciosos. Implementar filtros de e-mails avançados e realizar treinamentos regulares sobre segurança cibernética são estratégias eficazes para fortalecer a resiliência da equipe contra essas ameaças. Uma abordagem cautelosa em relação a e-mails e links desconhecidos é uma linha de defesa valiosa na proteção contra ataques que buscam explorar a confiança e curiosidade dos usuários.

Treinamentos regulares

Investir em treinamentos regulares de conscientização em cibersegurança é um pilar fundamental para fortalecer a resiliência da equipe contra ameaças digitais em constante evolução. Além de abordar as práticas básicas de segurança, os treinamentos devem incluir simulações de ataques e cenários realistas para preparar os colaboradores para situações do mundo real. A conscientização não deve ser vista como um evento único, mas sim como um processo contínuo, adaptando-se às novas ameaças e atualizando os membros da equipe sobre as últimas tendências em cibersegurança.

Atualizações constantes

A manutenção de sistemas e software atualizados é mais do que uma precaução; é uma estratégia proativa para mitigar riscos. Além de corrigir falhas de segurança conhecidas, as atualizações e patches muitas vezes incorporam melhorias na performance e novos recursos de segurança. Implementar um processo eficiente para monitorar e aplicar regularmente as atualizações garante que a empresa esteja à frente das ameaças emergentes e possa adaptar-se rapidamente a novos desafios cibernéticos.

Políticas de senhas fortes

A implementação de políticas robustas para senhas é uma defesa crucial contra invasões. Além de promover a criação de senhas complexas e exclusivas, as políticas devem incluir práticas de atualização regular das senhas. A autenticação de dois fatores (2FA) deve ser integrada sempre que possível, proporcionando uma camada adicional de segurança. Conscientizar os colaboradores sobre a importância de senhas fortes e práticas seguras de gerenciamento de senhas é vital, pois as senhas continuam sendo uma linha de defesa primária contra acessos não autorizados. Ao criar uma cultura de segurança em torno das senhas, as empresas fortalecem significativamente sua postura de segurança cibernética.

Em um mundo cada vez mais digital, os CEOs e CFOs são os guardiões das organizações. Compreender os termos técnicos e adotar boas práticas de cibersegurança não apenas protege os ativos digitais, mas também fortalece a confiança dos stakeholders e a reputação da empresa. Este é um investimento que transcende os aspectos técnicos, moldando o futuro e a resiliência da organização no mundo cibernético em constante evolução. Com o Accountfy, você conta com o mais alto padrão de segurança e garante que suas informações financeiras não cairão em mãos erradas. Fale com nossos especialistas e entenda como podemos te ajudar!  

Conteúdo
    Pesquisar

    Principais assuntos

    Add a Comment

    Your email address will not be published. Required fields are marked *

    quatro × cinco =

    Veja também